Category Archives: Ação Afirmativa

Papo reto para os homens negros

Será que os homens negros  podem ser salvos ou devem se salvar?

Depois da morte do adolescente Trayvon Martin nos EUA, muito se discutiu sobre o porte de armas nos Estados Unidos, o país mais armando e com altos índices de mortes causadas por armas de fogo. Discutiu-se a violência urbana, o racismo, mas houve também quem falasse da vulnerabilidade  dos jovens negros diante à violência e uma certa auto-vulnerabilidade de comportamento.

O veredito de não-culpado atribuído a George Zimmerman, que matou Trayvon Martina tiros , não atiçou somente humanistas, progressistas e militantes,  a direita midiática também quis dar sua opinião sobre  o assunto. Do jeito deles.

SPOILING ALERT

Este blog a muito tempo tem como foco principal o desenvolvimento do indivíduo. Acreditamos e trabalhamos para a revolução humana (Kossen-rufu).  Não somos bobas ou estamos deixando questões como a pobreza, o genocídio da comunidade negra, o racismo e o racialismo de lado, enquanto perdemos tempo com questões menores e detalhes menos importantes diante da barbárie que começou a 500 anos quando a “civilização” chegou pra dar um rolê na África. O objetivo desse texto é propor questionamentos e melhoramentos voltados para o indivíduo e que podem refletir diretamente na comunidade.

O repórter da CNN Don Lemon em um de seus comentários sobre o caso Martin-Zimmermman, fez uma lista com cinco pontos importantes a serem discutidos pela comunidade e a serem considerados principalmente por jovens negros.  A ideia geral é que se estamos de fato vulneráveis, temos que nos fortalecer e não enfraquecer elos importantes. Claro que não sou intelectualmente desonesta nem falaciosa, tampouco sairia de rolê com esse jornalista, mas gostaria de dar minha opinião, praticamente irrelevante, porém com  força representativa, principalmente sobre a “desintegração da família afro-americana”. Note, que a paisagem do fato e os personagens  pertencem a outro país, mas fazem parte da cultura e do imaginário afro-descentende e certamente pode ser aplicado a nossa realidade.

Vejamos o que ele disse:

“A razão porque há tanta violência nas comunidades negras é a desintegração da família afr0-americana. Criados sem muita estrutura, jovens negros muitas vezes rejeitam a educação formal e gravitam em torno da cultura das ruas, das drogas, e das gangs. Ninguém os força a fazer isso, é uma decisão pessoal. Mais uma vez,  isso é uma decisão pessoal.”

Claro que além de beeem apriorista e simplista, este argumento tende a falácia. O pós-escravidão e o destino de seus descendentes é muito maior e complexo do que o destino de alguns. Essa parte do texto nem é tão legal, mas serve pra reforçar que, apesar de não concordar com a ideologia do jornalista, nem com o canal onde ele trabalha, nem com o grupo cultural que ele representa, estou de acordo com alguns pontos da lista a seguir. E também com a ideia de que a cultura gângster virou o mainstream dos jovens negros. Ser malandro, ser bandido, ser foda parece ser muito divertido nos clips, mas na vida real não é…

5 conselhos que podem ajudar indivíduos negros a serem mais respeitados e a se respeitarem mais

1 – Levantem suas calças

Sim. Levantem e agora.  Todos temos direito a individualidade, ao estilo, a cultura. A liberdade de poder se vestir como se quer é uma das mais preciosas MAS se você quer ser levado minimamente a sério, nesta sociedade, neste tempo histórico,  levante suas calças. De verdade.  Ninguém vai te levar a sério quando suas calças estão pelos joelhos e metade da sua cueca está pra fora. Tipo, não dá.

justin bieber efigenias

Ninguém é levado a sério com metade da cueca pra fora, filho. Ninguém

2 – Parem de usar a N. word

Parem, simplesmente parem. NÃO USEM MAIS. Pra você ter uma ideia, essa palavra surgiu nos Sul dos Estados Unidos quando os pretos eram queimados em árvores no sábado à tarde para divertir os brancos. Neste caso não aceito a reapropriação, sinto muito.  Me revolta ver jovens brasileiros, que mal são capazes de entender e interpretar uma letra de música repetida à exaustão em inglês, dizendo nigga isso, nigga aquilo. Para filho, não dá, você nem sabe do que está falando.  Capacite-se para  fazer essa escolha antes de sair falando como um ignorante. E se você é branco, pior. Para!

– Ah, mas o Jay Z e o Chris Brown falam!

Bem, um artista não necessariamente é um sábio ou alguém que está realizando ações para o seu benefício, não é mesmo? Jay Z e seus amigos ganharam muita grana com essa cultura de pseudo-reapropriação que consistia em tornar público e popular o uso de uma palavra criada exclusivamente para humilhar seres humanos,   pense bem. O  Barack Obama ou a Oprah Winfrey não são nem jamais falariam isso. Então para, não fique repetindo coisas demoníacas sem saber.

3 – Respeitem sua origem, não fiquem desdenhando

Ame e respeite seu bairro, sua quebrada, sua goma. E mais, respeite sua mãe que te criou enquanto seu pai estava ocupado demais para cumprir sua obrigação. Respeite sua avó que lutou para que você pudesse sobreviver.  Não seja nem machista, nem mal agradecido. É feio e você merece mais do que isso.

4- Terminem seus estudos

Se existe alguma forma de mudar a história da sua vida para melhor e que não tenha a ver com a sorte, é sem dúvida a educação. Não importa o que você queira fazer na sua vida, mas estude. Parece cafona, mas um diploma na mão faz sim a diferença. Faz a diferença pra sociedade, faz diferença para a sua comunidade, faz diferença para você mesmo.  Por maior que seja o esforço, faça! Vá em frente que certamente sua vida só será melhor. Por pior que seja o ensino, é sua escolha ser ou não mais um ignorante. Você não precisa ser um ignorante, nem repetir esse esteriótipo dentro da comunidade. Já era essa história, o lance agora é bem outro.

5 – Parem de ter filhos fora do casamento

Esse é o papo mais reto porque é a raiz de vários problemas sociais. Sabia que o plano de governo do Barack Obama, um dos pontos exigidos pelos eleitores eram ações voltadas a conter o problema causados pelos fatherless sons, ou seja, filhos sem pai?   Eu duvido, posso até apostar com  alguém que me mostre um problema social maior que a paternidade irresponsável e seus efeitos na sociedade. Para de ser estúpido e ficar se valendo de biologismos idiotas. Não, você não é um cachorro, você não é um garanhão, você não é um procriador. Você é um humano que deve sem exceção se responsabilizar pelo destino de seus filhos. Foda-se se você quis ou não ter filhos. Você teve. Foda-se se seu pai não te criou, foda-se se o pai do vizinho também não. Você mais que ninguém sabe o mal que isso causa, então não tente ser um animal, você não é. Para!  Evite ter filhos antes de poder ter uma família ou poder cuidar dele. Caso os tenha,  ame e responsabilize-se.  Muitas mães criam seus filhos sozinhas mas não tem que ser assim. A comunidade pode até te safar e aceitar seu comportamento, mas seu caráter e sua hombridade ficarão marcados. A sociedade exclui a mulher negra da mesma forma que criminaliza jovens negros a partir de ideias racistas e esteriótipos, mas aparentemente, as mulheres ainda assim conseguem ser mais responsáveis enquanto os homens ou se comparam com cavalos procriadores ou simplesmente aceitam o destino imposto pela sociedade. Chega.

Precisamos de lideres, alphas, homens fortes para tomarem essa situação pelas mãos e ajudar a mudar o destino da nossa comunidade.  Precisamos de vocês.

:: Efigenias ::

Contamos com vocês

Advertisements

1 Comment

Filed under Ação Afirmativa, Ideias sem acento, Motivação

One of us

{Passado}

Única jovem brasileira que participou de Davos sonha em ser diplomata

Sou menina, negra e de classe média, mas isso não quer dizer que não posso vencer. O começo da vida não pode determinar o final”,

Raquel Silva sobre seus projetos para o futuro. O prioritário segundo ela, é ser diplomata.

{Presente}

Ação Afirmativa do Instituto Rio Branco

O Programa de Ação Afirmativa do Instituto Rio Branco – Bolsa Prêmio de Vocação para a Diplomacia foi instituído com a finalidade de proporcionar maior igualdade de oportunidades de acesso à carreira de diplomata e de acentuar a diversidade étnica nos quadros do Itamaraty.

{Futuro}

RAQUEL SILVA, Phd, Diplomata brasileira

:: Efigenias ::

1 Comment

Filed under Ação Afirmativa, Afrodescendente, Educação e oportunidades, HOT NEWS

Blosphera

Enquete

Tem uma pesquisa intitulada “Quem somo nós, consumidor@s?” rolando no site da Revista Raça.

Leva só um minutinho e vale a pena colaborar como a  pesquisa e lançamento de mais e mais produtos para nossos cabelos tão exigentes.

Queremos mais e melhor!

Sugestão da Vovó Efigenia

Está em dúvida de qual carreira seguir?Você já pensou no curso de Química? Imagine a carência no mercado de profissionais que estudem e desenvolvam produtos para cabelos e pele étnicos? É um dos maiores nichos comerciais do momento.  Sempre me pergunto como nunca li na minha vida nenhuma explicação científica para o  retardo no crescimento capilar em cabelos de mulheres pretas (do qual eu sofro fortemente).

Viu que dica boa? A vovó é assim, sugere o curso de graduação e ainda dá o tema da pesquisa de mestrado.

Mais informações sobre a carreira Química  clique AQUI

Beijos e juízo menina!

Leave a comment

Filed under Ação Afirmativa, Afrodescendente, Beleza

Terminologia

Usos e significados

Guia prático e préalable dos termos raciais

Em caráter de urgência, devido a série de idiotismos e barbarismos que tivemos contato nos últimos dias (clique AQUI e seja bem-vindo a Lixolândia), comentário sobre três termos entre os mais utilizados para designar pessoas étnico-racialmente.

“Las razas” no existen, ni biológicamente ni científicamente. Los hombres por su origen común, pertenecen al mismo repertorio genético. Las variciones que podemos constatar no son el resultado de genes diferentes. Si de “razas” se tratara, hay una sola “raza”: la humana. “Las razas” biogenéticamente, no existen, pero el racismo sí, como ideología.

José Marín González, Doctor em Antropología da Universidade Paris 1 Panthéon- Sorbonne

Cada um desses termos e outros mais serão tema de matéria individual (como já vimos N*) em momento oportuno.

Preto

Tais Araújo, atriz, brasileira, PRETA

Pessoa da raça negra.

Designa africanos e descendentes. É o termo que se utiliza nos países lusófonos, com exceção a Angola que segue o modelo brasileiro. No dicionário de português de Portugal preto é descrito como termo pejorativo.

A palavra em si tem conotação neutra, ou seja, pode ser tanto positivo e demonstrativo quando pejorativo. No Brasil, apesar de constar como sinônimo de negro,  muitas vezes é considerado pejorativo quando na realidade é o termo mais adequado para indicar africanos e afrodescendentes.

Francês: noir
Inglês: black*
Espanhol: negro*

 

Negro

Tais Araújo, atriz, brasileira, NEGRA

Negros são os pretos nascidos na América descendentes de escravos e escravos em geral. No Brasil é o termo mais popular e utilizado para designar afrodescendentes. De certa forma, a palavra representa origem comum, diferente do termo preto que está ligado, no subconsciente popular, à cor. À rigor, os pretos brasileiros são negros porque são descendentes de escravos e por isso mesmo muitos consideram o termo racista porque evoca diretamente à escravidão.

Podemos pensar a priori que  um brasileiro afrodescendente é negro, mas um africano preto, por não ser descendente de escravos. Porém  na língua corrente, negro e preto são sinônimos.

Francês: nègre termo fora de uso justamente porque remete a escravidão e não se ajusta a realidade dos afrodescendentes .

Inglês: negro mesmo caso do francês. A palavra foi rejeitada na época do movimento pelos Direitos Civis, justamente pela alusão a escravidão e hoje em dia é termo pejorativo
Espanhol: negro é o caso mais crítico da dialética palavra X representação. Nos países hispânicos negro não é somente pessoa preta, de origem africana, mas designa também o pobre, o segregado, o mais baixo da escala social, sem cultura, ignorante. É usado como adjetivo pejorativamente (“negro de mierda” mesmo que a pessoa seja branca). consequentemente designa populações de origem indígena não só pela pele escura mas por ser o pior do extrato social. Por outro lado, é também vocativo carinhoso, como a cantora Mercedes Sosa  que na Argentina tem o epíteto La Negra.

Mulato

Tais Araújo, atriz, brasileira, MULATA

Mulato é termo que designa os mestiços entre branco e negro. Historicamente o termo usado para qualificar animais e como o negro ainda é era tratado como mercadoria era também classificado dessa forma, sendo que quanto mais perto do branco, melhor.

No Brasil é sinonimo de mulher negra fácil bonita, voluptuosa, sensual. A dançarina símbolo do carnaval é um esteriótipo brasileiro. É   um dos eufemismos raciais para negra, uma forma de amenizar o fato (assim como morena, morocha, moreninha, mulatinha). O mulato que é um dos símbolos do Brasil miscigenado, é também um grande exemplo do racismo cordial à la brésilienne.

Francês: mulâtre tem origem no mulata do Português, ou seja, como se fora um produto, uma pessoa que é de origem branca, nobre e preta, escrava, inferior. É a clássica mistura de cavalo com mula. Lendo a definição de mulâtre me deu ainda mais vontade de esquecer essa palavra e partir pra outra.

Le terme mulato ou mulata est aussi utilisé en portugais pour désigner des métis mais au Brésil après 388 ans d’esclavage donc d’exploitation sexuelle des femmes noires,métisses et indiennes le terme de mulata est souvent synonyme de danseuse érotique de carnaval. Ces femmes sont parfois vues comme des femmes de milieu social pauvre et facile à séduire, toujours prêtes pour une relation sexuelle. (Afff ,é isso que você quer pra você?)

Inglês: mulatto pelo mesmo motivo dos outros idiomas, não pegou nos Estados Unidos, além da associação à escravidão. Os termos mais usados são várias da palavra mestiço como biracial, mixed. Dizem que o termo peca por ser amplo e não designar somente o mestiço de negro com branco, mas qualquer mistura racial. Mas cá entre nós, nada como um predicativo para salvar a história, basta dizer mestiço de branco com negro.

Espanhol: mulato os espanhóis que começaram com a idéia de categorizar pessoas como mercadoria. Então o mulato uma produto da cruza entre o branco e negro.

Obviamente que aqui no Efigenias a liberdade é ampla e respeitamos o direito de cada pessoa se designar da maneira que quiser. Só queremos remarcar a importância dos significados, usos e representações das palavras.

Na próxima edição:

POLÊMICA: Black é racismo ou afirmação?

Fique a seguir com o Bofe do Domingo.

Bom final de noite :)

ps.: e para aqueles que amam odiar, gritar e espernear, dêem crédito às horas infinitas sentada nas bibliotecas do mundo e navegando em sites mil. Na humildade.

5 Comments

Filed under Ação Afirmativa, Afrodescendente, Black

Quem é, é.

A dúvida paira no ar

Com a adoção de Ações Afirmativas raciais, muito se tem falado dos critérios para estabelecer quem é negro de quem não é (oi?).

Nadando na direção contrária ao debate, o :: Efigenias :: criou o roteiro definitivo para responder uma pergunta que não que calar: como saber quem é branco?

Você SABE ou PENSA que é branco quando:

♥ Vê sua amiga negra que costuma usar o cabelo alisado com o cabelo molhado e com a maior naturalidade diz: “Por que você não deixa assim molhadinho?”

♥ Para se referir a uma pessoa preta para outra, você passa o dedo indicador direito sobre mão  esquerda em geral fechada em forma de punho e fazendo movimentos lineares nos dois sentidos diz: “O Fulano, ele é assim da sua cor”, deixando claro com o gesto que se trata da sua cor de pele, não da cor do seu IPod Nano.

♥ Segundo a filmografia mundial,você não sabe enterrar

♥ Numa roda de samba com outros negros, você diz, repetindo o gesto manual descrito acima,  que você é dessa cor (teoricamente branco) mas também sabe sambar. Muitas vezes em seguida faz um movimento corporal muito peculiar para ser descrito aqui.

♥ Tem problemas com o vernáculo e não sabe usar os termos corretos para descrever as pessoas racialmente:
– A Tais Araújo, aquela moreninha da novela.
– Eu votei naquele escuro que era pagodeiro, o Netinho.
– Um senhor de cor veio de procurar, se referindo a seu pai e seu apelido sendo Negão.

♥ Ao ver uma reportagem sobre racismo na TV (muuuito bem elabora e imparcial) você diz cheio de opinião:
– É, mas os próprios negros são racistas… (e?)

♥ Para fundamentar e até mesmo justificar suas idéias, você diz um sonoro “Li na Veja!”, com a maior cara de dever cumprido do mundo.

E tem gente que pensa que isso é ciência ou sociologia e leva a sério.

♥ Num outro debate sobre racismo ou sobre ações afirmativas você diz ser contra porque é racista, anticonstitucional e o caraleo a quatro.  Só que você não sabe explicar nem o que é racismo perante a lei, nem o que é a Constituição e suas garantias e muito menos que é o caraleo a quatro. !

♥ Alguém te pergunta: “Mas você é racista?” Você responde indignado:” Claro que não, eu adoro basquete e samba, mas tenho uma vizinha…”

♥ Seus avós são negros, mas por algum motivo seus pais  são “morenos” e sei lá como ou só por ter “cabelo bom” e ser um pouco mais clarinho, você é branco, ariano para ser mais científico e mágico.

♥ Olhando um site de celebridades, você vê uma foto da Naomi Campbell um dia de cabelo curto e dois dias depois de cabelo comprido. E detalhe: ultraliso. Logo você exclama: “Nossa, mas o cabelo dela cresce rápido mesmo!”

♥ Você tem o cabelo liso, mas faz escova e chapinha (?)

♥ Faz questão de exibir seus amigos “de cor” como um troféu Amigo da Diversidade: ” Passa lá em casa pra ver o namorado na prima da minha cunhada que é um moreninho muito educado, na minha família não tem preconceito.”

Essa é uma homenagem carinhosa a toda comunidade  e cultura branca. Vocês são firmeza total, tâmo aí, lado a lado!

Agora, se você se sentiu discriminado ou ofendido, não perca tempo, dê um print screen na tela do seu computador e corra pra Delegacia de Crimes Raciais, em São Paulo à

DECRADI – DELEGACIA DE CRIMES RACIAIS E DELITOS DE INTOLERÂNCIA

Rua Brigadeiro Tobias, 527, 3º andar – Luz
Tel.: (11) 3311.3418 e 3315.0151 Ramal: 248 – dhpp@policiacivil.sp.gov.br

Afinal, no Estado Democrático de Direito, todos somos iguais perante a lei, né?

 

2 Comments

Filed under Ação Afirmativa, Opinião, Out and About

N. word? O que é afinal?

Terminologia

“N” não é preto nem negro. Há uma diferença grande entre os termos. E para a pior.

A palavra “N” é uma criação de pessoas cheias de ódio visando diminuir ainda mais a condição de existência do PRETO.
“N” não só significa, na pior conotação, preto, negro, escravo, animal. É o pior que há em tudo isso. Denomina todo o ódio que racistas sedentos já não conseguiam demonstrar só com atos. Criaram uma palavra pra isso.

“N” é o pior termo para designar qualquer pessoa, mas em geral é atribuída a negros. “N” rebaixa o ser humano e por consequência a humanidade como um todo. Toda vez que “N” é usada, tudo de pior que há do ser humano ganha um ponto na saga da evolução.

Na origem denominava os escravos negros que eram o escalão mais baixo da sociedade. Hoje em dia seu uso (não seu significado), tomou rumos surpreendentes.

A primeira vez que eu conversei sobre isso com uma amiga americana, que não é negra, ela disse que sentia vergonha por uma palavra dessas existir e ser usada. Como era possível ser humano se degradar de tal maneira?

Na definição “N” é uma pessoa sem auto-estima, sem valor social, escoria, mal-educado, de más maneiras, estúpido, ignorante, lento, insolente, fétido. E pior, PRETO. Toda vez que alguém profere “N”, todo o ódio que existe no universo se manifesta. Principalmente contra os PRETOS.

5 conselhos que podem ajudar indivíduos negros a serem mais respeitados e a se respeitarem mais

O termo foi popularizado nos anos 90 com ajuda do  Gangstar Rap, muitos estudiosos apoiam que uma palavra não vale mais que seu uso.  Justificam que houve um fenômeno chamado reapropriação, onde um termo usado num primeiro momento pejorativamente é absorvido pelo próprio grupo antes ofendido num sentido de identificação, senso de comunidade e empatia. Foi o que aconteceu por exemplo com o termo black que foi aceito no decorrer das décadas pelos negros americanos e é usado em todo o mundo.

Defendem que “N” em si, tem conotação neutra, mas que pode ser expressado de forma negativa ou positiva. Essa teoria torna o uso do termo COMPREENSÍVEL,  porém que não deve ser incentivado ou aceito. Isso explica porque uma pessoa de outra cor (alguém tem uma sugestão par abolir esse sistema de classificação de humanos por cores, como meias e giz de cera?) não pode dizer “N”, porque seu uso só é compreensível dentro de uma experiência de identificação.

♥ Conselhos da vovó Efigenia ♥

Se você éum artista, cantor, rapper, poeta, escritor, produtor, ator, saiba que parte do ofício de comunicar, é divulgar a língua e seus bons usos.  Sabemos do poder que uma palavra tem. Evitemos palavras como essas porque só geram mais preconceitos e ideias equivocada.

Vamos abolir da nossa vida coisas negativas como “N” e todo mal que vem junto dela.

Não se esqueça de visitar Abolish the “N” Word e o E Empowering ourselves e clicar sobre os links “N” para entender melhor o significado triste dessa palavra.

Juízo!

Beijosda Vovó

etimologia e significado

a palavra N foi uma criação de pessoas cheias de ódio para diminuir ainda mais a condição de existência do PRETO.
“N” não só significa, na pior conotação, preto, negro, escravo, animal. É o pior que há em tudo isso.Denomina todo o ódio que racistas sedentos já não conseguiam demonstrar só com atos, criaram uma palavra pra isso.

“N” é o pior termo para designar qualquer pessoa, mas em geral é atribuida as negros. “N” rebaixa o ser humano e por consquência como um todo. Toda vez que “N” é usada, tudo de pior que há do ser humano ganha um ponto na saga da evolução.

Na origem denominava os escravos que eram o escalão mais baixo da sociedade. Hoje em dia seu uso (não seu significado), tomou rumos surpreendentes.

A primeira vez que eu conversei sobre isso com uma amiga americana, que não era negra, ela disse que sentia vergonha por uma palvra dessas existir e ser usada. Como era possível ser humano se degradar de tal maneira.

A definição de “N” é uma pesoa sem auto-estima, sem valor social, escoria, mal educado, de más maneiras, estupido, ignorante, lento, insolente. E pior, PRETO.

Toda vez que alguem profere “N”, todo o ódio que existe no universo se manifesta.

mesmo incociente, sendo a ciencia neurolinguistica, a repetição do termo corrobora todos os rpeconceitos, todo o negativo que os pretos sofrem todos os dias.

alguém poderia gritar que os próprios negros popularizaram o termo nos anos 90 com o ganstar rap. outro apoiam que uma palavra não vale mais que seu uso. de crta forma, é obvio que a intenção não é denegrir mas exaltar, porém, as palavras são muito poderosas e servem de mecanismo de programação mental. está ai a ciência que não nos deixa mentir.

“Where y’all niggas goin?” is said with no selfconsciousness or animosity to a group of women, for the routine purpose of obtaining information. The point: Nigga is evaluatively neutral in terms of its inherent meaning; it may express positive, neutral or negative attitudes;

nigga (not nigger) brings out feelings of pride” (Davis 1). Here the word evokes a sense of community and oneness among black people.

uso
N não é uma palavra aceitávl porém seu uso é compreensivel. quando um negro chama o outro de my n, ele está se aproximando, se refletindo,se identificando com o outro. porém, devido a carga de preconceito e racismo contida no termo, o melhor é abolirmos de vez esse termo. não precisamos enfatizar a todo tempo que o preconceito que sofremos, mas valorizar e glorificar nossas vitórias, nossa luta.

por isso uma pessoa de outra cor (alguém tem uma sugestão par abolir esse sistema de classificação por cores, como meias e giz de cera?) não pode usar a palavras N, porque seu uso admite não só experiência e idntificação.

calma linguísticos do mal, de maneira nenhuma se trata de neologismo, reapropriação.é um engano como muitos que cometemos com a melhor intenção e que a revoulução humana, em nome da felicidade de todas as pessoas nos dá o direito de corrigir.

racial slur
adjeetivo, vocativo,para cumprir a função fática é fail, porque ao inves de aproximar, afasta, de tudo, do bem, do bom, da felicidade e do amor.

se vc é um artista, rapper, poeta, escritor, produtor, parte do oficio de comunicar, é divulgar a lingua e seus bons usos. temos que evitar o uso incorreto dos termos para evitar mais e mais preconceito. quem tem seu coração nas pontas dos dedos sabe do poder que um palavra tem. temos como mulata, moreninha, escurinho, denegrir e mesmo BLACK (em breve falaremos de todos os termos e porque devem ser evitados) devem ser abolidos em pro de palavras que consagrem as pessoas, não as diminua

não sou eu que vou acusar jay z, outros rappers, the wayne brothers de popularizem o termo até torná=lo algo normal.

vamos abolir N do léxico, d forma de tratamento, da existência

4 Comments

Filed under Ação Afirmativa, Black, Opinião

Estágio na ONU


Email enviado pelo meu Papi:

Abertas  até  15 de junho  inscrições  para seleção de estagiários na ONU

A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE), abrem de 1º a 15 de junho de 2010, o 2º processo de seleção para 3 estudantes afro-descendentes/negros {pretos, mestiços e pardos} cursando  mestrado ou doutorado na área de Ciências Humanas ou Sociais, interessados em estagiar na Delegação Permanente do Brasil em Genebra, Suíça e acompanhar as atividades do Alto Comissariado de Direitos Humanos das Nações Unidas (ONU).

O estágio terá duração de três meses (ano de 2011), não será remunerado e está inserido no Programa de Formação Complementar e Pesquisa na Área de Direitos Humanos da Agência Brasileira de Cooperação, que oferecerá os recursos para passagem, hospedagem, alimentação e transporte dos candidatos selecionados. A análise dos currículos será realizada por Comissão Científica composta por representantes dos Ministérios  proponentes e da Sociedade Civil.

Os pré-requisitos para as vagas são:

* Ter idade máxima de 35 anos;

* Ter concluído ou estar em vias de concluir pós-graduação (“stricto sensu”) em área conexa aos temas abrangidos pelo programa de formação complementar e pesquisas humanas e sociais;

* Ter domínio comprovado da língua inglesa;

* Ter disponibilidade de dedicar-se em tempo integral.

Para candidatar-se ao programa, o estudante deverá enviar até dia 15 de junho o currículo pelo e-mail seppir.onuestagio@ planalto. gov.br

Boa sorte a todos!

 :: Efigenias ::

em todos os lugares

1 Comment

Filed under Ação Afirmativa, Afrodescendente, Educação e oportunidades

Troféu Raça Negra 2009

Premiação de artistas, intelectuais, esportistas e personalidades pretas

Sharon Menezes e Cris Viana

Trofeu Raça Negra em São Paulo e mais uma vez não fui convidada :( Em breve serei uma blogueira respeitada e choverá convite vips para mim. (atualização: estamos em 2013 e até agora nenhum convite)
A imprensa não falou muito, confira a reportagem do Terra.
Pelas fotos eu notei que há uma carência absurda de maquiadores especializados em pele negra. Até eu, uma humilde multimidia wannabe me maquio melhor!
Fora esse detalhe, apoio o Troféu Raça Negra e espero que chegue a importância do BET Awards nos EUA.

ps. recomendo que vejam as fotos no Terra, leiam a reportagem mas não leiam os comentários.

Dicas de maquiagem para a pele negra

:: Efigenias ::

((aplausos))

1 Comment

Filed under Ação Afirmativa, Afrodescendente, HOT NEWS